domingo, abril 08, 2012

Não crês.

Não crês nas minhas juras,
Será que não vês que assim me matas?
Não crês nas minhas juras,
Ou iludes meu coração?

Nunca antes quis tanto alguém como a ti,
Ó, Anjo meu, por que não crês em mim?
Será que não vês que assim me matas?
Ou iludes meu coração?

Será que mentes durante todo o tempo?
Cumprirás então o que me prometes?
Eu serei fiel as minhas juras,
Mas, tu, serás?

Creia então que minhas lágrimas
Tem sido somente por ti,
Porque quero-te bem,
Quero-te sempre feliz.

Não crês nas minhas juras,
Será que não vês que assim me matas?
Não crês nas minhas juras,
Ou iludes meu coração?
                                    27-03-2012

terça-feira, março 20, 2012

-

Contemplar-te-ei, Meu.
Alvo e pronto.
Inteiro e Meu.
Contemplar-te-ei, Meu homem.


E ouvir-te-ei, forte, pulsar.
Sentir-te-ei respirar.
Teu hálito, quente, tua pele.
Nossas peles.


Deixar-te-ei ir mais longe que qualquer outro,
Conhecerás o mais profundo de mim.
A meia luz de um candelabro,
Dir-te-ei juras do meu mais ardente amor.
Em nossas núpcias.

Mais fortes.

São sempre mais fortes,
machucam você,
Algumas machucam mais que sua alma,
machucam seu corpo.

E você tenta fugir,
mas são sempre mais fortes.
Olham você.
Ferem você.

São sempre mais fortes.
Você não pode se defender.
Você tenta,
Eles são mais fortes.

E de uma forma ou de outra,
marcam você.
Machucam você.
Às vezes tiram de você seus melhores tempos.

E mesmo que você perdoe,
nunca se apaga.
E você chora.
Eles são mais fortes.

Dedicado a J, A e S.