sábado, outubro 30, 2010

Famintos.

São olhos diferentes, olhos sedentos, famintos para ser exatos, os olhos de todos eles.
De todas as cores e modos apenas tem fome, fome de algo que eu desconheço, presos a luxúria, sim, são a pura expressão da mesma, trazem neles a estampa do desejo o tempo inteiro, para todos os lados, sem alternativa.
Ainda trazem com eles a dor que mostram em cada gesto, a revolta com ou sem motivo, não sei.
Inexpressivos, de tanta expressão, chegam a causar medo pelo excesso de silêncio ou pela falta dele, medo, sim, é isso, medo.

Neles falta algo, talvez seja amor que os falte, ou talvez só os falte atenção, no fundo desses olhos cheios de fome.
Ainda neles tento encontrar luz, mas parece que o sol não mais os alcança, tanta vida ainda, tanta coisa pela frente, tantos sonhos, sempre muito.


E nada pra saciar, nada parece ser suficiente.
Alguém sabe o que há?

Um comentário:

  1. Falta verdadeiramente abrir os olhos pra vê que só Deus é o caminho, a verdade e a vida... E que só nele podemos encontrar a solução dos nossos problemas, não precisamos buscar o amor pois ele é o amor, é sempre ele que nos encoraja pra nossas conquistas futuras *--*

    ResponderExcluir