domingo, outubro 31, 2010

rui.

Eu rui, achei que não fosse de cristal, mas eu sou, frágil demais, fraca demais, quebrei.
Não posso colar, não há o que me reuna, agora, inútil, nada  muda e inerte estarei.
Não tinha motivos pra quebrar, não tinha, não tenho, o que me quebrou foi o vento, frio, sombrio, triste, invisível,
assim como a proteção que me envolvia, invisível.



fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário