domingo, junho 05, 2011

Aquela mulher.

Não era das mais altas, e tinha curvas que mais pareciam ter sido esculpidas a mão, era sensual, mas tímida e transparecia uma confiança que não possuía, principalmente quando exibia seus cachos negros que desciam pelo colo exuberante.
Tinha olhos extremamente atraentes e cílios marcados pelo rímel, o respeito de todos e era cercada de olhares, todo tempo, mas era mais do que aparentava, era mais que o poder, que o fatal, que a confiança,
Tinha quase sempre as respostas mas ainda assim escondia um intelecto privilegiado.
Era fascinada pelo simples, por coisas que tinham para ela um valor descomunal, as pessoas não imaginariam nunca que ela conhecesse tanto a vida, suas mãos e sua pele, sua expressão forte e segura pareciam não demonstrar sofrimento apesar de deixar no ar sempre uma dúvida quanto ao que se referia, parecia ser um tanto ambígua nos seus gestos, no modo que falava, no que pensava, parecia não pensar, era imediata.
O sorriso era largo o que contradizia a seriedade daquela mulher que estava em segundo plano na sua própria vida, vivia cerca de pessoas que não se importavam realmente com o sentido daquilo tudo o que dava vasão a uma desconfiança quase descomunal de qualquer pessoa que se aproximasse, mas um amor ainda maior por aqueles que realmente conseguiam enxergar a cadência e a doçura nos seus olhos fatais.

Um comentário:

  1. Ela tira onda...
    um cara q lê até se apaixona
    minha nah vc escreve mt bem!
    beijos e ótima semana

    ResponderExcluir