terça-feira, setembro 20, 2011

De flor a flor.


Que estranho segredo orbita nos seus olhos cor de jabuticaba?
Que estranha dor marca com lágrimas o seu rosto?
Ó flor da noite, que chora na penumbra, o que te causa tormento?
Quem fere teu doce coração de menina?

Quero eu, então, que nenhuma dor te atinja, que nenhuma lágrima te cinja, que mágoa alguma te machuque. Ainda que as pétalas caiam, que as forças se esvaiam, que o medo não te prenda ou assuste.
Ó flor, forte e frágil, flor de olhos fortes, flor de sorriso farto, flor que é porto seguro para as lamentações e alegrias de uma amiga infame como eu, flor que desabrocha todos os dias um tanto mais, mais uma flor em meio a tantas outras flores; mas uma flor diferente, uma flor irmã.
Deixo então as minhas palavras, talvez sem nexo e rebuscadas, palavras sem lágrimas, palavras que, para alguém como eu, exigem uma dose extrema de sensíbilidade que muito falta às vezes, palavras de amiga, palavras de irmã.
Palavras que vão de flor a flor a dizer o real sentido da vida das flores, amar, ser amor.

Amo-a profundamente, minha irmã.
Com carinho a Jéssica Lopes.

2 comentários:

  1. Amor de irmã, amor de pai, amor de mãe... Somente!
    Não se consegue amores mais fortes do que esses! Eu, particularmente, te desejo todos os amores do mundo. :*

    ResponderExcluir
  2. Meu Deus, que lindo!
    Amei, muito, muito, muito...
    Obrigada.
    Obrigada por tudo, minha irmã linda'
    É impossível não me emocionar, chorei mt, mas de alegria, por saber que tenho vc do meu lado!

    Te amo demais, maninha preta♥

    ResponderExcluir